Rebeldia – Capítulo 18

Carlos Eduardo revela que é filho de Edmundo, homem que tentou estuprar Carolina e morreu.

0
377
portal-comenta-rebeldia--captulo-18

CENA 1 – EXT. / HOTEL FAZENDA VALE DAS GRUTAS/CAMPING – DIA.

Carolina não acredita no que vê e se afasta chocada. Carlos Eduardo fumando um cigarro, observa Carolina de longe e se aproxima.

CARLOS EDUARDO: Parece que o seu namorado esqueceu de te convidar para a festinha.

CAROLINA (desnorteada): Isso não está acontecendo. Ele deve ter uma explicação!

CARLOS EDUARDO: Se você quiser eu te falo exatamente o que aconteceu aqui.

CAROLINA (olha bem nos olhos dele): Eu quero ouvir da boca dele!

CARLOS EDUARDO: Se você prefere assim, tudo bem!

Carolina fica em silêncio por alguns segundos.

CAROLINA (tentando conter o choro): O que aconteceu?

CARLOS EDUARDO: Ele estava meio abalado pelo que ouviu e voltou aqui. Estávamos puxando um fumo e ele decidiu experimentar e ficou pior do que estava.

CAROLINA: Então ele e Ethel… não aconteceu nada?

CARLOS EDUARDO: Depois a Ethel e ele começaram a conversar baixo, super entrosados. Só sei que quando eu e o Vitório vimos, eles estavam se pegando de verdade. E não demorou muito para irem para a barraca.

CAROLINA (não consegue controlar e chora muito): Eu não acredito que isso está acontecendo!

CARLOS EDUARDO (se aproxima de Carolina e a abraça): Enxuga essas lágrimas, ele parece não merecer.

CAROLINA (chorando): Ele não é assim!

CARLOS EDUARDO (rindo): Olha, eu sou homem. A gente é assim! E pelo que eu entendi, você sempre foi uma garota decidida e que nunca se importou com garoto nenhum. Isso é a prova de que você sempre fez certo, a gente não merece. Todo homem gosta de curtir o momento, isso é a realidade!

CAROLINA: Mas eu sei que ele é diferente! Aquela desgraçada deve ter se aproveitado dele.

CARLOS EDUARDO: Você está sendo injusta! Você pode não ser fã da Ethel, mas ela é solteira e não deve nada para ninguém né? Agora é muito fácil colocar a culpa na bebida ou em qualquer outra pessoa.

CAROLINA: Eu quero ir embora! Eu preciso ir embora!

CARLOS EDUARDO: Você vai acabar com as suas férias por conta de um cara que não merece?

CAROLINA: Isso é tudo muito novo para mim, não consigo pensar. Eu preciso sumir daqui antes que ele acorde. Não quero olhar para a cara dele!

CARLOS EDUARDO: Você quer que eu te leve em algum lugar? A gente pode dar uma volta com o meu carro e depois voltar. Você só precisa ligar o foda-se e lembrar da Carolina de antes. 

CAROLINA: Você me conheceu ontem e está fazendo tudo isso por mim. Não sei nem o que falar!

CARLOS EDUARDO: Não deixe ele estragar suas férias. Combinado? Vamos, eu dirijo.

CAROLINA: Não sei…

CARLOS EDUARDO: Não aceito não como resposta.

CAROLINA: Então vamos na cachoeira. Eu espaireço e depois venho conversar com ele. Ele precisa me dar uma satisfação!

Carolina e Carlos Eduardo vão em direção a trilha que leva a cachoeira. Corta para:




CENA 2 – INT. / CASA DA FAMÍLIA ALBUQUERQUE/COZINHA – DIA.

Nádia toma uma água enquanto Heloísa faz o almoço. 

HELOÍSA: Que loucura! E ele vai ficar aqui até quando?

NÁDIA: Até a Carolina chegar e decidir. Depois de tudo, não posso decidir pela minha filha. Essa casa é dela!

HELOÍSA: E você acha que ela vai aceitar ele ficar aqui?

NÁDIA: Depois de ele ter expulsado ela do casamento? Não sei!

Lourenço entra na cozinha.

HELOÍSA: Bom dia seu Lourenço.

LOURENÇO: Bom dia Heloísa!

HELOÍSA: O senhor pode esperar na mesa que eu levo o café.

LOURENÇO: Eu tomo café aqui mesmo, sem problemas.

Ele começa a pegar as coisas e senta para comer. Heloísa e Nádia continuam conversando. Ele fica olhando para as duas e sorri.

NÁDIA: Tem alguém com cara de palhaça aqui?

LOURENÇO: Desculpa, não tem nada de engraçado. Só lembrei de quando éramos casados…

NÁDIA (o interrompe): Me poupe! Não ouse terminar essa frase. Você acha mesmo que eu vou cair nesse papo? Você levou um pé, perdeu tudo e agora vem lembrar que fomos casados um dia? Você acha que eu ainda sou aquela mulher que acreditava em tudo o que você falava?

LOURENÇO: Eu…

NÁDIA (o interrompe): Você fica até aqui até a nossa filha chegar, mas se tentar algo do tipo novamente, você vai pra rua.

Nádia sai e deixa Lourenço falando sozinha. Corta para:

CENA 3 – EXT. / HOTEL FAZENDA VALE DAS GRUTAS/CAMPING – DIA.

Charles acorda e sai da barraca. Ethel, Vanessa e Vitório estão sentados comendo. Ele aparenta estar com dor de cabeça.

CHARLES: O que aconteceu? Cadê a Carolina?

ETHEL: Você não lembra? Eu lembro de tudo!

VANESSA: Eu posso não falar mais com a Carolina, mas você foi um cafajeste.

CHARLES: Do que vocês estão falando?

ETHEL: Que a gente transou ontem? Você ficou muito louco e a gente se pegou muito!

Charles se senta sem acreditar no que está ouvindo. 

CHARLES: Você está brincando comigo?

ETHEL: Você está de cueca, saindo da minha barraca. Sério que tem dúvidas?

CHARLES: Cadê a Carolina? Eu preciso falar com a Carolina!

ETHEL: Sinto muito, mas ela não está. 

VITÓRIO: Quando eu acordei eu vi ela saindo com o Carlos.

CHARLES: Com aquele cara?

VITÓRIO: Você não tem moral nenhuma para querer cobrar algo né?

CHARLES: Eu não acredito no que vocês estão me falando! Eu não lembro de nada!

VANESSA (ri): Típico de homem que não assume o que faz.

CHARLES: Para onde eles foram?

VITÓRIO: Acho que foram para a cachoeira. 

Charles começa a colocar a roupa e vai em direção a trilha que leva a cachoeira. Corta para:

CENA 4 – EXT. / TRILHA – DIA.

Carolina e Carlos Eduardo estão andando quando Carolina não consegue segurar o choro e para. 

CAROLINA (chorando): Eu não acredito que isso está acontecendo!

CARLOS EDUARDO: Calma… tudo vai ficar bem! Esse é o seu primeiro namoro?

CAROLINA: Sim, acho que posso dizer que sim.

CARLOS EDUARDO: Então é normal! Logo você vai entender que se livrou.

Carlos Eduardo abraça Carolina novamente e tenta aos poucos chegar aos seus lábios, mas ela se afasta.

CAROLINA: Não! Se você está aqui por isso, não!

CARLOS EDUARDO: Desculpe! Não vai se repetir! 

Os dois continuam andando. Corta para:

CENA 5 – EXT. / HOTEL FAZENDA VALE DAS GRUTAS/BARRACA DA GABRIEL E LUCAS.

Ao som de “Casa na Árvore – Gabriel Nandes”, os dois acordam e percebem que estão abraçados. 

LUCAS: Bom dia!

GABRIEL: Bom dia!

LUCAS: Dormiu bem?

GABRIEL: Melhor do que eu imaginava!

LUCAS (confuso): O que está acontecendo aqui? 

GABRIEL (ri): Eu não faço ideia! 

LUCAS: Eu estou com muita vontade de te beijar, mas sinto que eu não devia.

GABRIEL: Por que não?

LUCAS: Porque a probabilidade de o que eu estou sentindo aumentar, é muito maior que a probabilidade de diminuir. E isso torna tudo muito mais perigoso!

GABRIEL: Seria perigoso se não fosse recíproco!

LUCAS: No mundo de hoje sentir o que a gente sente é perigoso. E já pensou se isso se espalha, meu irmão ia deixar de sofrer pelo seu jeito e ia começar a sofrer por ter um irmão vi…

GABRIEL: Não ouse terminar a frase. E quer dizer que você nunca se permitiu viver algo por conta do seu irmão?

LUCAS: Eu nunca tive o que viver antes, mas agora vem tudo na cabeça. O medo!

GABRIEL: O medo faz parte! Meu pai me mataria só de pensar em ver o filho dele com outro homem.

LUCAS: Imagina se ele descobre então que além de estar com outro, esse outro é adotado por um casal de homossexuais.

GABRIEL: Eu não sei o que seria de mim. 

LUCAS: Ele é tão ruim assim? 

GABRIEL: Ele é pior.

Os dois ficam se olhando e um acaricia o rosto do outro.

LUCAS: O que a gente faz agora?

GABRIEL: A gente vive e vê no que vai dar.

Os dois se aproximam pausadamente e se beijam ao som de “Grito Mudo – Sandy”. Corta para: 

CENA 6 – EXT. / CACHOEIRA – DIA.

Carolina e Carlos Eduardo estão sentados no alto da cachoeira, em uma pedra, conversando. Carolina percebe uma movimentação no caminho da trilha. De longe, ela percebe que é Charles. Sem pensar, tira sua camiseta e beija Carlos Eduardo. Charles chega e se depara com a cena.

CHARLES: O que está acontecendo aqui?

Carolina sai de cima de Carlos Eduardo e ri.

CAROLINA: O que você está fazendo aqui?

CHARLES: Você vai me explicar o que está acontecendo aqui?

CAROLINA: Eu não preciso explicar nada! Você vai sair ou a gente vai ter que ir para outro lugar?

Charles não esconde a decepção e sai. 

CARLOS EDUARDO: O que foi isso?

CAROLINA: Eu precisava fazer isso!

Carolina vai colocar a blusa novamente, mas é impedida por Carlos Eduardo.

CARLOS EDUARDO: Quer dizer que você me evitou o dia todo e só por que seu namorado apareceu você resolveu me usar?

CAROLINA: Desculpe, mas você sabe da situação. Não vai mais se repetir!

Carlos Eduardo solta o braço de Carolina e ela coloca a blusa. 

CARLOS EDUARDO: Sabe que já tinham me dito que você era assim?

CAROLINA: Assim como?

CARLOS EDUARDO: Adora usar as pessoas. Principalmente os homens.

CAROLINA (intrigada): Do que você está falando?

CARLOS EDUARDO: Eu conheci um homem que me disse que você era assim, mas ele morreu.

Carolina se levanta para ir embora e Carlos Eduardo se levanta em seguida.

CARLOS EDUARDO: Aonde você vai?

CAROLINA: Quero ir embora!

CARLOS EDUARDO: Pra que a pressa? Agora que o passeio estava ficando bom.

CAROLINA: Não estou gostando desse papo.

CARLOS EDUARDO: Por quê? 

Carolina se prepara para descer a cachoeira, mas é empurrada por Carlos Eduardo. Ela cai na água e sua cabeça atinge uma pedra. 

CARLOS EDUARDO: Isso é pelo que você fez com o meu pai!

Foca em Carolina embaixo d’água desacordada. Corta para:

FIM DO CAPÍTULO 18

Curtiram o capítulo? Deixe sua opinião nos comentários, ou em uma mensagem privada, temos também twitterfacebook… um escritor não é nada sem os leitores. Sua opinião é importante!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here