Rebeldia – Capítulo 17

Carolina flagra Charles e Ethel dormindo juntos no décimo sétimo capítulo de Rebeldia.

0
431
portal-comenta-rebeldia--captulo-17

CENA 1 – INT. / CASA DA FAMÍLIA ALBUQUERQUE/SALA DE ESTAR – NOITE.

Lourenço se senta no sofá e Nádia não esconde sua preocupação.

NÁDIA: Fique aí que eu vou na cozinha pegar o kit de primeiros socorros para limpar esse machucado.

LOURENÇO (desesperado): Você não entende! Isso é o menor dos meus problemas, Nádia. Aquela desgraçada me deu um golpe.

NÁDIA: Eu já volto e você me conta essa história melhor.

Nádia vai para a cozinha. Corta para:




CENA 2 – EXT. / HOTEL FAZENDA VALE DAS GRUTAS/CAMPING – NOITE.

Carlos Eduardo, Ethel, Vitória e Vanessa estão sentados conversando quando Carlos Eduardo vai até sua mochila e pega algo. Ele volta e senta aonde estava. 

ETHEL: O que é isso que você trouxe?

CARLOS EDUARDO (coloca o baseado na boca e acende): Trouxe um verdinho para relaxar.

VANESSA: Você ficou louco? E se alguém pega você fumando isso?

VITÓRIO: Deixa de ser careta Vanessa. Vai dizer que você não gosta de fumar um?

VANESSA: Não gosto de drogas.

CARLOS EDUARDO (rindo): Só no Brasil a maconha é vista como droga. 

ETHEL: Passa pra mim!

Ethel fuma e começa a tossir. Carlos Eduardo e Vitório começam a rir e Vanessa vai para a barraca deitar. Corta para:

CENA 3 – INT. / HOTEL FAZENDA VALE DAS GRUTAS/BARRACA DE CAROLINA E CHARLES – NOITE.

Os dois se deitam e Charles não esconde a irritação.

CAROLINA: Você está melhor?

CHARLES: Não sei se estou com o estômago embrulhado por conta da bebida ou pelo que eu tive que ouvir.

CAROLINA: Você sabe como eu era, nunca escondi de você. Será que essa sua reação não é por conta da bebida?

CHARLES: Eu entendo que você aproveitava a vida, mas saber que transou com a metade da escola é bem diferente.

CAROLINA: Tem certeza que você quer falar sobre isso agora? 

CHARLES: Já que o assuntou surgiu…

CAROLINA: Qual é o problema em uma garota ter a vida sexual ativa? Aposto que se fosse um garoto iria ser conhecido pela fama de pegador, mas como é uma garota, é puta.

CHARLES: Eu não te chamei de puta!

CAROLINA: Mas aposto que pensou!

CHARLES: Você está colocando palavras na minha boca.

CAROLINA: Então por qual motivo você quer saber do meu passado?

CHARLES: Acho que eu tenho o direito de conhecer quem eu namoro.

CAROLINA: Você me conhece e essa sou eu agora. Ainda bem que as pessoas mudam! Não tem motivo para falar sobre isso agora!

CHARLES: E qual o lance com aquele garoto? Eu vi que rolou uma troca de olhares. 

CAROLINA: Quem?

CHARLES: Aquele amigo da Ethel.

CAROLINA: O que você está insinuando? 

CHARLES: Não estou insinuando, estou perguntando.

CAROLINA: Você está bêbado e não está conseguindo raciocinar. Amanhã conversamos!

CHARLES: Você está arranjando desculpas para não conversar.

CAROLINA: E você está sendo ridículo. Se eu quisesse estar com outro, não teria assumido um relacionamento com você. Boa noite!

Carolina deita e vira de costas para Charles. 

CHARLES: Você vai me deixar falando sozinho?

CAROLINA: Amanhã a gente conversa!

Charles se irrita e sai da barraca. Corta para: 

CENA 4 – INT. / CASA DA FAMÍLIA ALBUQUERQUE/COZINHA – NOITE.

Nádia chega na cozinha e Leon está sentado na mesa.

NÁDIA: O Lourenço está aqui e não pode ver você. Você precisa ir embora!

LEON: O que esse cara veio fazer aqui?

NÁDIA: Nós já conversamos, agora você precisa ir e seguir a sua vida.

LEON: Eu sei que você me ama! Porque você insiste em negar o que sente?

NÁDIA: Eu preciso que você vá embora agora e não me procure mais.

LEON: Fale olhando nos meus olhos que não é mais para eu te procurar e eu vou embora.

NÁDIA (olhando nos olhos de Leon): Eu quero que você vá embora e não me procure mais!

Leon não esconde a tristeza e sai pela porta dos fundos sem olhar para trás. Nádia pega o kit de primeiros socorros e vai para a sala de estar. Corta para:

CENA 5 – EXT. / HOTEL FAZENDA VALE DAS GRUTAS/CAMPING – NOITE.

Charles se senta junto com o grupo que está chapado. Ele percebe a alteração dos colegas.

CHARLES: O que vocês tem ai?

VITÓRIO: Um baseado. Quer?

CHARLES: Não. Não curto!

ETHEL: Você é tão careta. Quase uma mocinha de novela.

CHARLES: Isso não é ser careta.

ETHEL: Quem sou eu para discutir o que é ou não careta. 

CARLOS EDUARDO: Você já experimentou?

CHARLES: Não.

CARLOS EDUARDO: Então não pode dizer que não curte! 

CHARLES: Mas…

Carlos Eduardo passa o baseado para Charles que fica pensativo, mas acaba fumando. Ele começa a tossir muito e passa novamente para Carlos Eduardo. O garoto se levanta e se afasta do grupo, indo se escorar em uma árvore pois começa a passar mal. Ethel vai até ele.

ETHEL: Você está bem?

CHARLES: Isso não me fez muito bem. Fiquei muito enjoado! Mas pode voltar lá, logo fico bem.

ETHEL: Imagina… fico aqui com você!

CHARLES: Eu já vou deitar!

ETHEL: Se eu fosse você esperava um pouco da chapaceira passar. Capaz de vomitar em cima da Carolina. Se senta ali conosco, já apagamos. Assim que você melhorar, vai para a barraca.

Charles se senta com o grupo e começa a ficar sonolento. 

CARLOS EDUARDO: Você está bem?

CHARLES: Sim… só estou muito leve!

VITÓRIO (ri): Você está muito chapado!

Charles ri, mas acaba apagando poucos minutos depois. Corta para:

CENA 6 – INT. / CASA DA FAMÍLIA ALBUQUERQUE/SALA DE ESTAR – NOITE.

Nádia começa a limpar os machucados de Lourenço.

NÁDIA: O que aconteceu?

LOURENÇO: A Melissa…

NÁDIA: O que aquela vagabunda aprontou?

LOURENÇO: Ela me roubou! Me roubou a casa e o escritório. 

NÁDIA: Como isso aconteceu? Como você deixou isso acontecer?

LOURENÇO: A casa estava no nome dela, mas o escritório… ela me fez assinar uns papéis e me enganou direitinho. 

NÁDIA: E aonde ela está agora?

LOURENÇO: Eu cheguei em casa mais cedo e ela estava arrumando suas coisas para ir embora. Não esperava que eu flagrasse ela… ela e o motorista. Eles venderam tudo pelas minhas costas e iam me deixar na rua. A única coisa que sobrou foi essa casa no nome da Carolina e a casa da ilha. Eu não tenho para onde ir. Eu não tenho dinheiro. Eu não tenho nada.

NÁDIA: Você sabe que a Carolina tentou te avisar né? Todo mundo tentou te avisar!

LOURENÇO: Eu estava cego!

NÁDIA: Você sempre foi cego. Homens como você sempre acabam debaixo do salto de uma mulher inteligente.

LOURENÇO: Você está dizendo que aquela vagabunda é inteligente?

NÁDIA: Você não acha? Você teve inúmeras oportunidades de impedir isso, mas preferiu ficar do lado de uma mulher que conheceu ontem. Você trocou sua família, abandonou sua própria filha. 

LOURENÇO: Eu não preciso de lição de moral.

NÁDIA: Você nunca precisou de lição de moral, só precisava de um choque de realidade. E a sua amada foi a responsável por isso. Uma garota nova, cheia de vida… o que ela iria querer com um homem que tem idade para ser avô dela?

LOURENÇO: Que moral você tem para falar sobre isso?

NÁDIA: Moral? Talvez nenhuma. Mas eu não casei com nenhum garoto e muito menos deixei algum roubar tudo o que eu tinha. Além de nunca abandonar a minha filha.

LOURENÇO: Chega! 

NÁDIA: Chega mesmo! Você pode dormir no quarto de hospedes até a Carolina chegar.

LOURENÇO: Até a Carolina chegar?

NÁDIA: Sim! Ela vai decidir se aceita você nessa casa.

Nádia se levanta e vai para o seu quarto. Corta para:

CENA 7 – EXT. / HOTEL FAZENDA VALE DAS GRUTAS/CABANA DE CAROLINA E CHARLES – DIA.

O dia amanhece. Carolina acorda e percebe que Charles não voltou para a barraca.

CAROLINA (sonolenta): Charles?

Ela abre a sua barraca e não vê ninguém no camping, estão todos dormindo. Ela repara que tem peças de roupas pelo chão e as reconhece. Seus olhos enchem de lágrimas. Ela se aproxima da barraca de Ethel e vê Charles apenas de cueca dormindo ao lado dela. Corta para:

FIM DO CAPÍTULO 17

Curtiram o capítulo? Deixe sua opinião nos comentários, ou em uma mensagem privada, temos também twitterfacebook… um escritor não é nada sem os leitores. Sua opinião é importante!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here