Os encontros e desencontros no romance Ponte Aérea, filme nacional disponível na Netflix

Os encontros e desencontros de um casal que precisa lidar com a distância em Ponte Aérea, filme nacional protagonizado por Letícia Colin e Caio Blat.

0
345
portal-comenta-os-encontros-e-desencontros-no-romance-ponte-area-filme-nacional-disponvel-na-netflix
Foto: Adoro Cinema

Sabe aquele filme que te faz suspirar, num clima de “Sessão da Tarde”, e faz imaginar viver um bom romance?

Assim é o filme nacional Ponte Aérea. Conta a história de um voo, que vai do Rio de Janeiro para São Paulo, entretanto tem seu curso desviado para Belo Horizonte, devido à forte chuva que castiga a capital paulista. Diante do imprevisto, os passageiros são hospedados em um hotel para que, na manhã seguinte, sigam para a capital paulista. Entre eles estão o carioca Bruno (Caio Blat) e a paulista Amanda (Letícia Colin), que se conhecem no hotel. Após um rápido flerte e aquela atração avassaladora, eles passam a noite juntos, mas se desencontram no dia seguinte, pois Bruno pega um voo logo cedo. Dias depois, em São Paulo, ele a procura, pela única pista que tem. Mas é bem no dia em que ela é promovida na agência de publicidade em que trabalha. E aí começam os encontros e desencontros de quem precisa lidar com um romance a distância.




Primeiramente palmas com louvor a Letícia Colin, que é uma atriz genial e convence em qualquer papel que interpreta. Caio Blat também está sensacional e a direção de Julia Rezende, que merece destaque, pois consegue interligar muito bem cenas de dois estados diferentes. O romance entre eles é um ponto superpositivo, pois é construído de forma comum, é do nada que eles vão se conhecendo, descobrindo qualidades e defeitos um do outro, além de como lidar com os 432 quilômetros de distância entre as cidades que vivem. Doses pontuais de emoção e uma boa trilha sonora ajudam a intensificar o romance e também, a nos agradar com telespectador. As piadas é outro ponto certeiro. Elas surgem na dose certa e não é nada forçado. E muito menos ofende, os paulistas e cariocas.

O filme é leve e um bom entretenimento. Ele é de 2015, mas por que falar dele agora? Pois acaba de entrar no Netflix, é um dos lançamentos da semana por lá e vale muito a pena conferir.

Um texto escrito por Delduque Avelino

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here