Onze anos depois e Gossip Girl continua tão atual

Há seis anos ia ao ar o último episódio de Gossip Girl, série com relações conturbadas mas que ainda assim se mostram bem atuais ao que a gente vê por aí

0
706
portal-comenta-onze-anos-depois-e-gossip-girl-continua-to-atual

Ano em que completou 11 anos de sua estreia, hoje faz seis anos que uma série que marcou uma geração chegou ao fim.A história dos adolescentes da elite de Manhattan, que eram atormentados por um blog de fofoca anônimo, é adorada por milhares de pessoas até hoje. Estou falando de “Gossip Girl”. E, apesar de ter assistido à série tardiamente, só vina Netflix em pleno 2016, eu me incluo na lista.

Que atire a primeira bolsa Channel quem nunca sonhou em ter a vida de Blair Waldorf. Quem nunca amou e odiou Serena Van der Woodsen, no mesmo episódio. Ou quem nunca quis ter um Nate Archibald só para si. A verdade é que todos os personagens são extremamente marcantes e cativam o público, pois despertam todo amor e raiva. Eu, por exemplo, sinto uma imensa raiva pelo conturbado Chuck Bass. Como já disse, só vi a série por agora, então todo seu machismo e preconceito incomoda muito. Ele comete assédio e estupro, faz uma garota aceitar um relacionamento abusivo e ainda não é fiel aos seus amigos. Por sua vez, sou completamente apaixonado pela Blair, que também vive momento de altos e baixos. A verdade é que nenhum personagem consegue passar intacto pelas seis temporadas, ou seja, todos eles vivem o momento de problema, onde fazem coisas erradas e pensam só em si mesmo. Logicamente do período entre 19 de setembro de 2007 e 17 de dezembro de 2012, muita das coisas que a trama da série exibe não era ruim. Ser misógino, como o Chuck, não era tão falado. Expor a namorada na internet, como Dan Humphrey faz, não era tão escandaloso. Aliás, a relação pessoa e internet, era totalmente diferente dos tempos de hoje. Todos têm comportamentos extremamente fora do correto que, em pleno 2018, não dá para fingir que a gente não está vendo. E pior ainda, não dá para aceitar. Mas ainda assim, vale muito pena assistir e caso ainda não fez, pare de ler aqui, se é do tipo que liga para spoiler, mais explícitos dos que já soltei até aqui.

O principal enredo de “Gossip Girl”, é o blog que expõe todos os populares da escola e cidade. Sabemos que o blog trocou de autor algumas vezes durante as seis temporadas. Mas o primeiro tópico que quero lembrar é o criador de todo esse furdunço: Dan Humphrey. Inclusive esse é o mistério que a série traz, só revelam que é Dan no último episódio, na derradeira temporada. A história de Dan e Serena é uma graça até o momento em que ele resolve expor a vida da ex-namorada, além de todos os seus amigos e família, diga-se de passagem, em seu best-seller. Tudo bem que quem mandou o tal do livro para a editora foi a Vanessa, a única personagem que nunca amei em momento algum. Ela é desnecessária, mas enfim. A situação é que quando descobrimos que Dan Humphrey, o garoto solitário com carinha de bom moço, era na verdade a própria cobra em pele de cordeiro, o mundo cai. Quando ele explica para os amigos, como tudo começou e o porquê, tudo parece fazer sentido. Mas, não dá para não odiar um cara que expõe a garota por quem era apaixonado, as situações mais tenebrosas, com a melhor amiga dela. Sem contar que ele expõe também essa amiga, sua irmã, seu pai e diversos outros. Não tem como achar isso tudo normal. O garoto era extremamente egoísta e empatia era uma palavra que ele desconhecia. Só pensava em seu ego. Dan é louco, perturbado. Porém antes de descobrir isso, torcemos por ele, em alguns momentos.

portal-comenta-onze-anos-depois-e-gossip-girl-continua-to-atual

Falando na senhorita Van der Woodsen, um tópico que não tem como não ser comentado é a amizade louca que ela tem com a miss Waldorf. Aquela relação era tudo,menos saudável. Serena e Blair vivem uma amizade estranha, que já começa errado com uma pegando o namorado da outra. Elas brigavam o tempo inteiro. E não eram briguinhas bobas. Perdi a conta de quantas vezes as duas quase saíram no tapa e uma armava para a outra constantemente. Mandavam dicas até para a tal “garota do blog” sobre a vida da amiga, querendo assim expor a vida pessoal uma da outra, quando não estavam contentes com a essa relação. Inclusive quando Serena toma as rédeas do blog, ela vive falando sobre a vida de Blair. Bizarro demais. Então, se esse é o conceito de amizade verdadeira, Deus me livre de ter uma assim. Mas é óbvio que as duas conversavam muito, se entendiam na maioria das vezes e tinham momentos fofos. Pois elas cresceram juntas, então o laço afetivo era muito grande. E uma ajudou muito a outra durante as seis temporadas da série. Entretanto, ainda assim, a relação das duas está longe de ser sadia.

portal-comenta-onze-anos-depois-e-gossip-girl-continua-to-atual

E falando em relacionamento que não é sadio, é o namoro de Blair e Chuck. Se a série fosse nos dias de hoje, ia ser um rebuliço só, ou talvez, essa trama nem seria pensada assim. Ainda bem que paramos de aceitar uma relação daquela como normal. Só para ter noção, o spoiler é grande, mas o cara trocou a namorada dele por um hotel. Não tem como achar normal. Fora ainda todas as vezes que Chuck foi absurdamente abusivo coma Blair. Ele gritava com ela, traía, diminuía e chegou a machucar fisicamente amenina quando soube do casamento com Louis. Grande parte do relacionamento deles foi tenebrosa. Doentia de verdade. Foi só quando perdeu a menina de vez que o Bass deu valor ao que tinha. Um ponto muito bom é a decisão da Blair de não voltar com ele, enquanto não se tornasse a mulher poderosa que queria ser. Ela sabia que o amava. Mas também sabia que ele a impedia de viver os próprios sonhos e foi madura o suficiente para se colocar como prioridade na situação. Amor próprio antes de qualquer coisa. Quando os dois voltam a se relacionar, já com promessa de casamento, ela está mais segura de si e ele consciente de toda merda que fez no passado. Isso mostra o amadurecimento de um casal e que ainda podem dará volta por cima. Claro que não vamos julgar só o homem, apesar de amar Blair e ser minha personagem preferida, de boba e inocente, ela não tinha nada. A rainha do “Upper East Side”, colégio em que eles estudam, era cruel. Ela não tinha o menor pudor em passar por cima de quem fosse para conseguir oque queria. A garota era a protagonista da própria vida e qualquer um que se metesse em seu caminho não tinha a menor chance de sair ileso. Qualquer um mesmo.

Acho que o objetivo da série, na real, era exatamente mostrar esse comportamento desviado de quem acha que tem o mundo no bolso por causa do dinheiro. Eles podiam comprar o que quisessem e, se você não tem uma índole muito forte, fica muito propício a isso nesse mundo. O dinheiro e o poder mostram o lado mau caráter das pessoas e isso ficou claro em todos os personagens. Eu disse todos, sem exceção.

Personagens problemáticos, relacionamentos piores ainda, dinheiro visto do pior viés, armações e esquemas, fofoca em cima de fofoca, entretanto, ainda assim, uma trama incrível para ser assistida, de ser lembrada e homenageada. A verdade é que “Gossip Girl” é bem conturbada, mas como a assinatura do blog sempre dizia, não tem como negar: “You know love me”. E acho que a gente sempre vai amar. Aliás, que tal uma maratona para comemorar esses 11 anos do blog mais ardiloso do Upper East Side? XOXO.

Um texto escrito por Delduque Avelino

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here