Megarromântico é um filme excelente, que brinca com os clichês de forma magnifica

Quem nunca sonhou em viver uma comédia romântica? Leia a crítica de Delduque Avelino sobre Megarromântico.

0
479
portal-comenta-megarromntico--um-filme-excelente-que-brinca-com-os-clichs-de-forma-magnifica

Quem nunca sonhou viver uma comédia romântica? Imagine então acordar e está justamente vivendo esse tipo de filme. É esse o enredo principal de “Megarromântico”, que acaba de ter sua estreia, na Netflix. O filme conta a história de Natalie (Rebel Wilson), que hoje é uma moça completamente desacreditada do amor. Entretanto quando criança, ela suspirava com o romance de Edward (Richard Gere) e Vivian (Julia Roberts) em “Uma linda mulher”. Natalie cresceu tratando as questões amorosas e relacionamentos com tanto desdém, que nem nota o que acontece ao seu redor, nesse quesito. Até que, um dia, depois de um acidente, ela acorda e se vê dentro de uma trama que ela conhece muito bem e detesta: uma comédia romântica. Dessa forma, a personagem muito bem interpretada por Rebel Wilson, precisa enfrentar todos os clichês que lhe incomoda no gênero, como o amigo gay sem vida própria, a mulher que se torna inimiga no trabalho sem motivo e o galã bonitão, por exemplo.

Rebel Wilson, depois de protagonizar a trilogia “A Escolha Perfeita”, mostra seu grande domínio da comédia. O filme é todo centrado em sua personagem. É um filme para ela mostrar todo o seu talento. Dessa forma, ela mostra a competência para fazer rir com situações absurdas. Adam Devine e Liam Hemsworth também estão ótimos. Sem contar que durante o filme, temos homenagens essenciais à ótimos filmes do gênero, como, “Um Lugar Chamado Nothing Hill”, “La La Land” e “De repente 30”.

Além disso, “Megarromântico”, apesar da proposta de satirizar a fórmula conhecida do gênero, ele surpreende com um ótimo e essencial discurso de empoderamento. Portanto é um filme que pode agradar tanto quem gosta de comédia romântica, e ainda sonha em viver a sua na vida real, quanto quem vê problemas no formato ou ainda, quem está precisando de uma dose de amor próprio.

Uma texto escrito por Delduque Avelino